Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Julho, 2010

Mosteiro de Santa Maria de Seiça

Ruína a céu aberto, continua a deslumbrar quantos o visitam e admiram no silêncio do vale da ribeira de Seiça. Foi seu último Abade Frei João Mexia. Após a exclaustração de 1834 e a expulsão dos monges, Frei João Mexia refugiou-se algum tempo na Vinha da Rainha, em casa de rendeiros do Mosteiro, tendo depois seguido para o Porto e daí para casa de um irmão, pároco de uma paróquia da província do Minho.
A maioria dos monges, de famílias pobres, sem recursos para viajar, terminaram os seus dias na maior pobreza, alojados em pequenos casebres, no Lugar do Copeiro, povoação onde pelos finais do século XVI se fixaram algumas famílias de oficiais canteiros e pedreiros, responsáveis pelas diversas campanhas de obras efectuadas no mosteiro ao longo dos séculos XVI e XVII.
Este ano, a 14 e 15 de Agosto, festeja-se mais uma vez Nossa Senhora de Seiça, excelente motivo para uma romaria á Sua capelinha e saborear um bom farnel à sombra do velho mosteiro.
Hermínio Nunes, 17 de Julho de 2010 http://cisterportugal.blogspot.com/
O mosteiro de Santa Maria de Seiça teve uma importância fundamental na organização, povoamento e arroteamento do território ao seu redor. As povoações de Coles de Samuel e Gesteira, antigos padroados do Mosteiro, são duas antigas freguesias eclesiásticas cujo Vigário era de apresentação do Abade de Santa Maria de Seiça.
Após a exclaustração de 1834, o património da igreja do mosteiro foi delapidado, salvando-se algumas importantes peças de arte sacra distribuídas por algumas igrejas e capelas da região.
O altar Mor da igreja paroquial de Samuel, em talha dourada do século XVIII, tem a emoldurá-lo o brasão de Santa Maria de Seiça, único exemplar conhecido. Na mesma igreja pode ainda admirar-se, no altar lateral do lado do Evangelho, uma representação das Santas Mães, em pedra de Ançã, igualmente proveniente da igreja do Mosteiro. As obras de arte da fachada da igreja de Samuel, datadas de 1613, – portal com janela de avental sobreposta – são provenientes da oficina do mestre canteiro Mateus Rodrigues, «…mestre das obras de Ceiça…» documentado como mestre de obras de Seiça entre 1598 e 1637, a quem devemos a trasladação dos edifícios conventuais de Santa Maria de Seiça do lado Sul do mosteiro para o lado Norte, devendo-se-lhe, muito provavelmente, também as obras de ampliação da igreja.

Hermínio Nunes, 26 de Maio de 2010 http://cisterportugal.blogspot.com/

As ruínas de Santa Maria de Seiça, perdidas na solidão do vale, assobram o visitante, pela sua impressionante beleza. Fundado por D. Afonso Henriques, que lhe outorgou carta de couto em 1175, foi inicialmente beneditino passando à regra cisterciense em tempo do Rei D. Sancho I.O actual edifício da igreja, muito arruinado, é resultado de obras iniciadas por finais do século XVI e terminadas já no fim do século XVII. Com a exclaustração de 1834 e a expulsão dos monges o mosteiro foi alienado e adquirido por particulares, tendo desaparecido a capela mor e o claustro do capítulo. A igreja foi transformada em fábrica de descasque de arroz.Actualmente propriedade do município da Figueira da Foz, encontra-se ao abandono, apesar da sua localização privilegiada na região da foz do Mondego.
.
 
Hermínio Nunes, 20 de Abril de 2010 http://cisterportugal.blogspot.com/
Anúncios

Read Full Post »



No dia 4 de Julho levantamos vem cedo para efectuar a rota de seiça com um grupo. Chegamos ao mosteiro das cegonha, são estas as habitantes deste mosteiro, nas seguintes coordenadas N 40° 02.743 W 008° 46.954. Em poucos minutos lá estava o grupo pronto e lá seguimos a rota, mas sem antes pousar para a foto, é pena a fotógrafa não ficar na foto.

Percuso recheado de história cruzando vales e colinas descobrindo as paisagens caracteristicas do sul do conselho, a sua fauna e vegetação e visitando a belissima Capela de Nossa Senhora de Seiça, de lendária fundação e as imponentes ruínas do Mosteiro de seiça.

Entre os principais pontos de interesse destacam-se ainda, a Ribeira de Seiça, a Fonte dos Frades, os Arrozais do Rio Pranto, o Vale do Milho e a Linha do Oeste.

Este percurso tem 10 kms e uma belissima paisagem.

Prefil de altitude (altimetria) Diferenças de Altitudes

108 Meter (Altitude desde 15 Meter para 122 Meter)

Subida acumulada 183 Meter

Descida acumulada 173 Meter

GPSies - 07/04/2010 (Duration: 03:46:09)

Boas caminhadas!!

Artigo publicado no blogue Trilho Natural em 06-07-2010
http://trilhonatural.blogspot.com/2010/07/rota-de-seica-no-dia-4-de-julho.html

Read Full Post »