Feeds:
Artigos
Comentários

Manuel da Costa Cintrão apresentou o seu 5.º livro, intitulado «Terras do Sul do Mondego até à Praia do Pedrógão – Ecos da História», que descreve este território desde a idade pré-romana até aos nossos dias.

O lançamento teve lugar no Salão da ACRDM – Associação Cultural Recreativa e Desportiva Marinhense, Marinha das Ondas, na tarde do dia 10 de Outubro de 2021.

O livro é constituído por dois volumes I e II, o primeiro com 892 páginas e o segundo com 915 páginas, totalizando os dois volumes mais de 1.800 páginas.

O estudo abrange esta faixa atlântica que abrange o Baixo Mondego, as terras do sul do concelho de Figueira da Foz, concelho de Pombal e do concelho de Leiria, sendo as freguesias abrangidas por este estudo, a saber:

 Alqueidão; Borda do Campo (para memória futura, uma vez agregada ao Paião), Lavos; Marinha das Ondas; Paião: S. Pedro (Cova/Gala); Carriço; UGIM – União das freguesias da Guia, Ilha e Mata Mourisca; Louriçal; Coimbrão e Monte Redondo.

Os volumes I e II, não são vendidos em separado por abrangerem estudo histórico, etnográfico e antropológico, comum a todas as freguesias referidas.

SEIÇA – O Vale Encantado – Um Diamante em bruto 
Tem sido nestes últimos anos – desde 2014, uma luta intensa para mudar Seiça, nomeadamente a preservação do Mosteiro Santa Maria de Seiça. Muito empenho, muita burocracia, mas finalmente tudo se conjuga para o início do trabalho no Imóvel.
Em 2016, o Município escolhe o gabinete de arquitetura para poder desenvolver um projeto e que, acima de tudo, tenha experiencia neste tipo de edifícios, recaindo a opção no Atelier de Arquitetura 15, Lda do Porto, tendo à frente desta empresa os Arquitetos Sérgio Fernandes e Alexandre Costa, que tinham na altura sido os responsáveis do projeto pelo restauro do Convento de São Francisco em Coimbra.


As intervenções em Seiça passam por 3 fases:
– Obras de Preservação no Mosteiro

Reabilitação do edifício monástico, claustro e pátio “e a sua adaptação a espaço museográfico, cultural e expositivo”, estabilização da ruína da igreja para que seja visitável em segurança e um pavimento exterior com “recriação do que seria a igreja original


– Na Capela Octogonal de Seiça com restauro do Altar
– Áreas Adjacentes e Caminho entre o Mosteiro e a Capela Novos espaços verdes ajardinados, plantação de cerca de 50 Árvores, arbustos e beneficiação da estrada / caminho com piso condizente com a envolvência daquele património.
Esta aposta em que poucos acreditavam, será uma mais-valia económica extremamente importante para a Freguesia e para a nossa região, em que o Turismo será uma forte aposta e funcionar durante todo o ano.

Informação retirada de:

Paião, mais qualidade de vida. #paulopinto #Paião #maisqualidadevida #freguesiadepaiao

Diário de Coimbra de 2021-04-20
Diário de Coimbra de 2021-04-20

Noticia retirada do Jornal Diário de Coimbra 2021-04-20

Foto DR

Câmara da Figueira da Foz, distrito de Coimbra, adjudicou hoje a obra de reabilitação e consolidação do Mosteiro de Seiça, imóvel histórico e de interesse público, que está em vias de ser reclassificado como Monumento Nacional.

A obra, orçada em cerca de 2,7 milhões de euros, hoje adjudicada à empresa Teixeira Duarte e que terá início, segundo o presidente da autarquia, “a muito curto prazo”, passa pela consolidação da fachada monumental em ruínas da igreja datada dos séculos XVI e XVIII, e reabilitação do edifício monástico adjacente.

“Este trabalho, esta adjudicação em fim de mandato, obrigou a várias coisas. Primeiro, levou-nos a uma espera de dezenas de anos, desde a aquisição do edifício [pela Câmara, em 2001] até hoje. A realidade é que o edifício foi adquirido e ficou por lá”, afirmou Carlos Monteiro, durante a reunião camarária.

“E agarrado a esse edifício ficou uma dívida de 92 milhões [respeitante aos três mandatos do PSD, anteriores aos executivos do PS], que nós herdamos em 2009. Esta é a parte da explicação para o atraso [nas obras]”, argumentou o autarca.

O autarca adiantou que a “outra parte” que resultou, agora, na adjudicação dos trabalhos, deriva da “preocupação com o erário público” e da reclassificação como Monumento Nacional.

“Para podermos concorrer a fundos comunitários, tínhamos de reclassificar o edifício como monumento nacional. E hoje temos fundos comunitários e esta intervenção, de 2,7 milhões, é comparticipada apenas em 15% pelos fundos próprios da Câmara Municipal. Estes trabalhos demoram tempo e é esta a explicação porque é hoje [a adjudicação]. A empresa, após esta adjudicação, irá a Tribunal de Contas e a muito curto prazo a obra pode iniciar-se”, frisou Carlos Monteiro.

Intervindo na reunião, Carlos Tenreiro, vereador eleito pelo PSD mas ao qual foi retirada a confiança política, lembrou a “carga histórica profunda” do Mosteiro de Seiça, localizado no sul do concelho, na freguesia de Paião, cujas origens – que não o edificado atual – remontam à fundação da nacionalidade.

“Quando percebemos o tempo que levou a conseguirmos consolidar uma situação que permitisse a recuperação daquele edifício (…) seja o que for feito vai ser feito pela positiva, vai revitalizar uma existência histórica secular e é motivo de regozijo para todos nós”, declarou Carlos Tenreiro.

Ouvido pela agência Lusa, o arquiteto camarário Rui Silva explanou, em traços gerais, a intervenção no Mosteiro de Seiça, que passa pela consolidação da fachada da igreja “de modo a ser visitável, na ruína em que está, mas em condições de absoluta segurança”, e pela reabilitação da parte monástica adjacente.

“Tudo o que é adulteração é para ser retirado”, explicou Rui Silva, aludindo, nomeadamente, aos restos de uma fábrica de descasque de arroz, que ali laborou desde o início do século XX até 1976, mas também ao arborizado que, ao longo de décadas, se desenvolveu no topo das duas torres da fachada da igreja e que “terá de sair”.

“É o que está a dar cabo do edifício”, sustentou.

O único vestígio que ficará da fábrica de descasque de arroz é a chaminé com dezenas de metros de altura, onde habitualmente nidificam cegonhas, localizada na lateral do Mosteiro, entre este e a linha ferroviária do Oeste.

Posted by Agencia Lusa

Retirado do Jornal As Beiras Online 2021-04-19

Foi aberto o concurso publico para reabilitação do Mosteiro de Seiça por um valor próximo de três milhões.

 

 

Foi aprovada por Unanimidade a Classificação de Monumento Nacional pelas entidades competentes que conferem esse estatuto.

 

Os presidentes das juntas do Paião e MaiorcaPaulo Pinto e Rui Ferreira, concordam com a venda do Convento de Seiça e Paço de Maiorca. A possibilidade da alienação dos dois imóveis municipais e classificados é uma possibilidade admitida pelo presidente da câmara, Carlos Monteiro, em declarações ao DIÁRIO AS BEIRAS (Ver edição de ontem). De resto, o sítio do Turismo de Portugal apresenta os edifícios como uma oportunidade de investimento.
Carlos Monteiro ressalvou que os potenciais compradores terão de ter em conta que os imóveis estão classificados e que o projeto terá de ser “interessante”. A autarquia, saliente-se, concessionou o complexo piscina-mar, por 50 anos, e o investidor também está sujeito à classificação do edifício.
Entretanto, como este jornal adiantou ainda, a autarquia vai apresentar uma candidatura a financiamento público para a recuperação das ruínas do Convento de Seiça, que poderá custar cerca de três milhões de euros. O início do procedimento, de resto, é um dos pontos da ordem de trabalhos da próxima reunião de câmara, na segunda-feira, 15.

Notícia completa na edição impressa e digital do DIÁRIO AS BEIRAS de 11/06/2020

Noticia retirada do Jornal Online As Beiras 2020-06-11, Posted by Jot.Alves

Abertura do procedimento de Ampliação e Reclassificação como Monumento Nacional (MN) do Mosteiro de Santa Maria de Seiça, em Ribeira de Seiça – Paião, freguesia de Paião, concelho da Figueira da Foz, distrito de Coimbra.

Clique aqui para ver o Diário da República.

Diario_da_Republica_Mosteiro_Seica_Fev2019

Jornal Voz da Figueira 12-12-2018